quinta-feira, 26 de novembro de 2015

Um dia morro de vergonha - mesmo literalmente!

Ninguém, para além de mim, acredita ser possível morrer de vergonha. Mas eu acredito piamente que eu vou morrer de vergonha, um dia. Há aquelas pessoas que acham que vão morrer num acidente de carro, de avião, de uma doença qualquer. Eu vou sem dúvida morrer numa situação tão embaraçosa, que a vergonha vai ser tão grande que não vou aguentar e fino-me.

Mais uma situação embaraçosa, esta passou-se na Sexta passada, nos 100montaditos.

Saí do trabalho à pressa, e para não me atrasar não fui à casa de banho despejar a bexiga. Quando chegámos lá, fui ao wc. Só que estava fila. Só raparigas. Então, a mais valente (que nunca na vida serei eu) lá disse que o melhor era dividir-mo-nos entre o wc das raparigas e dos rapazes, senão nunca mais íamos sair dali. Bem, lá a malta se começou a dividir, era raro entrar algum rapaz portanto aquilo começou a avançar. Chegou a minha vez. Eu estava tão apertadinha e tinham dito que a dos homens tinha papel e estava mais limpa que a das raparigas. Lá fui para a dos homens. Aquilo passa-se a primeira portinha e lá dentro há o urinol e depois há outra portinha que é onde está a sanita. Mas o espaço todo acaba por não ser muito grande. Bem, enfiei-me na portinha da sanita. Oh, maravilha, papel quase intacto, chãozinho imaculado, tudo impecável. Fiz o que tinha a fazer, e começo a vestir-me. Ouço a portinha de fora a abrir. Congelei. Morri. Com a bexiga vazia eu caí em mim. Estava na casa de banho DOS HOMENS! EU! E estava um homem naquele preciso segundo a utilizar o urinol lá fora! Como é que eu ia sair dali? E se de repente começassem a entrar todos os homens que lá estavam e quisessem utilizar a sanita? Eu ia ficar ali presa o resto da vida! Iam ter que chamar os bombeiros para me tirarem dali, morta de vergonha! Se eu saísse dali com um homem lá dentro ia ser um escândalo! Já me estava a imaginar num tribunal, acusada de ser taradona, de me ter enfiado na casa de banho dos homens para ver (possivelmente micro)pilas! Ainda me ocorreu que podia despir uma das trezentas camisolas que tinha vestida (a sério, que frio é este???), atar na cabeça, para não se ver o cabelão e sair de costas e murmurar um "Ehh" com voz grossa, em jeito de saudação. Mas, ainda antes de terminar de medir o buraco da sanita para ver se conseguiria passar por lá, ouvi a porta a abrir e ele saiu. Esperei uns 5 segundos. Ninguém entrou. Saí dali mais depressa do que vocês conseguirão alguma vez imaginar. As raparigas que estavam na fila até se assustaram. Claro que eu pus a cara mais normal que consegui, lavei as mãos e pirei-me dali antes que chamassem a polícia e eu fosse passar a noite "à choldra".

Why me?

3 comentários:

Ariana Artur disse...

Já fiz voluntariado, em que a minha tarefa era limpar as casas de banho dos homens... enquanto eles se serviam!!!! :D :D :D
A sério! Era suposto dizer qualquer coisa como: "é para o urinol?... Não se importa de aguardar um pouco?...", "É para a sanita?... Pode entrar, não se incomode comigo, eu estou a limpar ao lado!" ahahah!!! e era aos 5 de cada vez!!!!
Deixa lá, a vergonha não mata mesmo!
Beijinhos,
Ariana

Cláudia disse...

Epá LOOOOL =P

Adorei o possivelmente micro pilas e que frio é este =P
Eu acho que saía de lá mesmo com o homem lol

Beijocas

marina maia disse...

Ah, ah adorei a situação! !!
Beijocas