quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Prometo que é só desta vez. Afinal é ÁdesCávir, não Lamentávir

Ontem, como quase todos os dias, larguei lágrimas. Lágrimas de mágoa, lágrimas de tristeza. Que estou gorda. Que estou inchada. Que estou pesada. Que estou triste. Que não consigo emagrecer. Que ele, apesar da boa vontade, não me ajuda. Que não consigo.

Eu choro tanto que realmente não sei como não emagreço.

Ele diz que quando me conheceu, eu comia de tudo e estava mais magra. Agora passo a vida a contar calorias e é o que se vê. Mas quando ele me conheceu eu andava. Eu ia quase todos os dias à escola. Eu passeava. Eu mexia-me. Agora passo os dias "entravadinha" no sofá. Ontem, assim rapidamente a fazer as contas, cheguei à conclusão que é perfeitamente possível que eu por dia não ande sequer meia hora. Num dia inteiro. (Tenho uma casa grande, mas não é um palácio)

Não gosto de sair sozinha. Pior, não gosto de sair sozinha simplesmente para ir a lado nenhum.
Podia voltar à rotina de ir à escola vários dias por semana. Mas o preço dos passes não está para isso. E o resto. Porque há um resto.

A partir do final do 1º ano (ou no inicio do 2º, como queiram) comecei a ter ataques de ansiedade cada vez que ia à escola. No inicio pensei que fosse nervos dos exames/frequências. Começou as ser nas aulas. Calor inexplicável. Dores intensas de barriga. Eu que só fazia um modesto cocó por dia e SEMPRE em casa, habituei-me facilmente às sanitas super confortáveis da escola. E ao papel, que parecem urtigas. E a fazer vários cocós por dia, com muita facilidade. E se eu não fosse ao wc? Ui, aí então era o pleno do divertimento! Ainda na 2ª ou 3ª falei disto. Numa apresentação de trabalhos tive que implorar para sair da sala. Claro que nos entretantos a minha barriga ganhou vida própria e fez qualquer coisa como "GRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUU". O professor desconfiou e achou que era o meu telemóvel a vibrar (dá para imaginar, certo?)

Comecei a ficar em casa. "Vou para a próxima", "Vou para a semana", "Vou só às frequências", "Vou só aos exames", até ao maravilhoso "Faço para o ano...".

E é assim cada vez que tenho que ir às aulas. E sempre que posso fico em casa. Ao ponto de já ter gasto quase todas as minhas faltas "gratuitas".

Depois, quando eu achava que se ficava por aí, piorava seeeeeeeeeempre. Passou a ser fora da escola. No cinema. Nos restaurantes. Nas viagens. Nas visitas a pessoas. Qualquer coisa que saia dos meus planos "sofá/casa" é coisa para me pôr a suar, nervosa e "à rasca" da barriga. Claro que depois passo sempre por doente mental, porque está um gelo e eu cheia de calor e sempre a caminho do wc. Passei a andar com um leque na mala e todos os exames que fiz no ano passado eram sempre feitos a abanar-me (Assim como assim só preciso de uma mão para escrever!). Confesso que tive receio que os professores pensassem que levava cábulas no leque, mas não, foram todos simpáticos e deixaram-me usar sem nenhuma explicação (Aposto que eles também queriam ter um à mão, ehehehe).

Voltando ao assunto "Rebolar por uma ladeira". Tenho um parque gigante ao lado de casa. Ou sou sócia ou pago 0,70€ para entrar. Mas e depois?? Fico lá às voltinhas? Ainda fomos algumas vezes mas depois desistimos. Tinhamos que pagar e não queríamos. E depois ele desistiu de fazer exercício.

E eu? Continuo na mesma. A roupa não me serve. Já me perguntaram se estava grávida (quem me dera, ao menos disfarçava!).

Já ando só a comer sopas, sempre sem batata, e raramente como 2º prato. Acabo com uma maçã ou um iogurte. E quanto menos quero comer, mais fome tenho. E é um desespero. Não admira que haja pessoas anoréticas e bulímicas. E não estou a falar de pessoas que pesam 45 Kg e o sonho é pesar 20 kg. Isso é só estúpido. Estou a falar de pessoas como eu.


Mas como é que uma pessoa pode emagrecer se os produtos "light" são praticamente o dobro do preço?
Faço o quê? Passo apenas a comer bróculos cozidos, todos os dias a todas as horas?
E além disso, não o posso obrigar a comer ou pior, a não comer só porque eu quero apenas comer "uma sopinha". Claro que acabo a fazer grandes panelões de massa ou arroz. E como pão. Branco, que o integral/cereais custa quase 3 vezes mais. E fiambre. Da pá, que outro qualquer é muito mais caro. E como iogurtes, muitos iogurtes. Normais, que os magros ele não come e além disso são mais caros. E até pensei em comprar aquelas bolachas de arroz. Mas aquilo parece esferovite. E essa eu deitei fora à pouco tempo. Se soubesse tinha guardado. E não me posso atirar da janela, que com este peso, é certo e sabido que não vou voar.

É difícil. É complicado. E é ainda mais difícil e complicado quando me sinto sozinha. Porque não vale a pena estar sempre a bater na mesma tecla com ele, porque se passo o dia sozinha, quando estou com ele ao menos que seja para aproveitar.

E até podia ir a algum nutricionista que me ajudasse. Pois podia. Mas em que é que isso ia alterar? Ia continuar fechada em casa. Porque não quero sair. Porque sozinha não quero. Podia ir para um ginásio. Pois podia, mas aí tinha que ir vender este corpinho para o pagar e aí deixava de precisar de ir para o ginásio, porque já fazia ginástica suficiente. Podia comprar uma passadeira e assim ao menos andava em casa. Mas é caro e eu não tenho dinheiro. Podia comprar uma daquelas bicicletas de estar em casa. Mas é caro e eu não tenho dinheiro. Até podia fazer uma cirurgia daquelas que retiram todas as gordurinhas e nos metem lindas qual Barbies magrinhas. Mas é caro e eu não tenho dinheiro.

Entretanto só me apetece dormir. Quando estou a dormir o mundo é perfeito, não como, não gasto luz, água , gás, dinheiro, papel higiénico (sim, eu gasto muito).... Mas não se pode dormir para sempre, certo?


Well, back to the real world!!

14 comentários:

Magic Is Everywhere (A Hedwig) disse...

eu nem sei como te dizer...mas sou igual a ti, execepto na altura (sou mais baixa e peso mais).

engordei no 2º ano da universidade,
porque simplesmente nao queria ir para lá, não sei se era ataques de ansiedade, mas só sei que não queria ir, e chorava porque tinha que acabar um curso que nao queria...

juro, não sei como te explicar o quanto me identifiquei com isto.

Magic Is Everywhere (A Hedwig) disse...

eu já não choro porque como estou na tese, não tenho que sair de casa para ir lá. Para já. Quando tiver que lá ir, vou ter que pedir ao namorado para vir comigo, tambem não gosto de sair sozinha nem que seja ao café buscar pão!

Cláudia disse...

Olha querida não acho que estejas assim tão mal!
Tens menos 5cm que eu e eu tinha mais 2kg que tu...

Porque não experimentas as sementes de linhaça?
Comigo funcionou e muito bem!
Sim, não sou pequena, já de mim é ter este corpão todo, mas já fui maior... Já fui mais larga e mais pesada.

1 c. sopa de sementes ao pequeno almoço num iogurte e outra ao lanche noutro iogurte.
Os iogurtes magros, mesmo sem ser de marca, são bons e sempre são mais baratos.
Junta a esta toma das sementes, 1,5l de água por dia.
Enche 3 garrafinhas ou vais bebendo uma pequena e enchendo.
É que ao colocares logo a garrafa de 1,5l não a vais querer beber pois custa mais.. Há sempre muita água ainda para beber...

Ao jantar, como só a sopa...
Eu deixei de ter fome e eduquei o corpo.
É certo que tenho bicicleta em casa e agora a juntar a isso faço uma caminhada com intervalos de corrida e faço sempre 1 hora...

As sementes ajudaram bastante, juro-te!
Experimenta comprá-las inteiras e vais picando o suficiente para tomar em 5 dias... Após isso vão perdendo propriedades...

A minha irmã perdeu peso a tomar as sementes e sem grandes sacrifícios a nível alimentar.
Uma pessoa que conheço perdeu peso e não fez nadinha de nada..

Qualquer coisa sabes o meu email.. =)

Estás à vontade

Beijocas e desculpa o testamento

Flow disse...

Tenta tratar as crises de ansiedade também... um passo de cada vez :) Muita força, todas nós somos capazes de ultrapassar essas fases, vais ver.

Katy disse...

Li quase o post todo, porque cheguei a um ponto onde não conseguia ler mais. Não podes andar assim rapariga!!! Também não estás assim tão mal, o teu IMC não é nada de extraordinário.
Olha coisas light que dizem não terem açucares e sei lá o que.. são doces, sabem bem, não é? Então é porque metem pra lá merdas que fazem ter bom gosto, mas que só fazem mal! Come comida a sério, come sopa e segundo prato, faz umas sobremesas de frutas e come também! Não passes fome, que assim ainda é pior e depois os deslizes são a dobrar!

Quanto ao exercicio.. eu estou grávida, ainda posso disfarçar, mas também me sentia gorda (como deves ter lido algumas vezes no meu blog). E o R., magrinho que só ele, não queria fazer exercicio porque dizia "se faço, ainda desapareço de tão magro!". Sabes o que fiz??
Ele tem uma Xbox 360. E com o Kinect, já há não sei quantos jogos de exercicio. Comprei alguns e fazia 3x por semana.
E sabia-me bem sim senhor! E andava melhor, perdi uns kilinhos.

Se o teu também tem consolas, compra um jogo de exercicio e faz. Ao menos não tens de andar a correr na rua sozinha, estás no conforto da tua casa sem ninguém a olhar.

Não fiques assim! Sei bem como te sentes.. e disso dos ataques de ansiedade, não digo que és doente mental! Tens é de ver o que é isso, porque deve haver algum medicamento para te reduzir a ansiedade e andares melhor, poderes fazer a tua vida. Doente não és de certeza, querida!!

Upa pra cima!! :)

Devaneios.de.mestra disse...

Bem, depois de ler o teu texto e os comentários, só tenho uma coisinha a apontar, tens que ter força de vontade ;) Eu já me senti assim. Quando era menina, era sempre a mais bonita, a mais magra e a preferida dos rapazes, lembro-me até de os professores brincarem comigo porque todos os rapazes gostavam de mim. Depois, aos 17 anos comecei a namorar com o meu actual namorado, e comecei a desleixar-me. até que há dois anos cheguei a pesar 61kg (só tenho 1.63m). Sentia-me gorduxa, só vestia coisas largas e dei tanta roupa gira só para não ter que a ver e porque achava que nunca mais ia servir. até que tomei a decisão de mudar, e felizmente tive a grande ajuda do meu namorado. Não como coisas magras, nem fiambre caro, nem iogurtes light. Simplesmente reduzi Muito às quantidades, uso também como a Cláudia, a linhaça de manhã (é sagradinho, se não comer linhaça não ando bem o dia todo) e janto sopa e um bocadinho do prato principal. Mas também admito que vou ao ginásio muitas vezes.

Se vivesses aqui perto até te emprestava a minha bicicleta que está aqui parada.

Bjoka, desculpa se me alonguei e força, nós estamos aqui para ajudar ;)

Devaneios.de.mestra disse...

Querida, esqueci-me só de dizer que já emagreci 7 kg (mas parece mais porque entretanto ganhei músculo, e que agora já me sinto bonita outra vez e já vou Às lojas experimentar o S e não o L ;)

Vá se precisares de alguma coisa avisa.

Tal mãe, tal filha disse...

Ai miúda que baixo astral é esse? Não te deixes abater até porque não vejo motivos para isso. Eu sei que tu é que sabes o que sentes, mas levanta a cabeça, faz um plano alimentar, podes fazer exercício em casa, há imensos videos na net. Quanto a mim não precisas de alimentos light nem alimentos caros. Reduz as quantidades de pão, massa, arroz e batatas. come de tudo mas num prato mais pequeno. Desisti quase completamente de iogurtes, fico inchada, bebo leite magro sem lactose e não como manteiga. Vai com calma, nada de muito radical para ser mais fácil.
Estamos aqui para te ajudar no que for preciso, muita força!

Beijos/ Mãe e Filha

Paula_2700 milhas disse...

Se me permites uma opinião, segue a dica das sementes de linhaça e da alimentação mais controlada e em menos quantidade: sopas, grelhados, enfim, o que puderes.

Essa parte da socialização é tão importante, mesmo que sejam passinhos pequeninos e um de cada vez. Ùm dia à escola, outro ao mercado, outro à biblioteca, sei lá. Isolares-te tanto não faz bem e não sei se não terá relação com o peso, não só pelo sedentarismo como pela parte psicológica. Mesmo sem vontade, tenta sair um bocadinho! Quanto ao exercício, podes fazê-lo em casa sem aparelhos, pesquisa na net e verás a catrefada de abdominais e afins que podes fazer no teu espaço. Uma musiquinha animada e empenho! Está nas tuas mãos e se quiseres, consegues. Acredita em ti!

Se quiseres falar um bocadinho escreve-me à vontade para o mail.

Um abraço

eu disse...

Tens aqui imensos bons conselhos. O mais importante é começares a sair, porque quanto mais ficares fechada em casa, mais difícil vai ser sair. Não é vergonha nenhuma ter problemas de ansiedade.
Também já os tive, fui ao médico, e com meio comprimido por dia durante alguns meses voltei a ter a minha vida normal. Não há coisa melhor do que isso!
O peso é importante, mas sentires-te bem é ainda mais importante. Se quiseres mando-te a dieta que a minha nutricionista me passou.

Um beijo e muita força,
Eu

Anónimo disse...

Não acho nada que estás gorda! eu meço 1.64 e peso à volta de 75, ou se calhar mais! e a única coisa que acho é que estou um pouquinho cheia, mas nada de mais! já pesei menos 20 quilos e digo-te que não gostava tanto de mim como agora! Acho que tem a ver com a aceitação de nós, do nosso corpo e de alcançar uma maturidade diferente! Em relação aos ataques de ansiedade, também já passei por isso, por isso te digo: tudo tem solução,mas tens de procurar ajuda. O que me ajudou (e ajuda ainda)foi medicação, terapia e hidroginástica para relaxar!

Naja disse...

Assim a seco:

Estás com crises de ansiedade porque tens agorafobia. Se tens culpa? Não.

Tens é culpa se não pedires ajuda.

Quanto à dieta... estás a fazer borrada da grossa. Come de 3 em 3 horas, come mais do que sopa e vai ao ginásio. Não consegues ir sozinha? Leva o namorado e fala com os monitores. Não ha vergonha em ter problemas que nao controlamos. Vergonha é a cobardia de ter vergonha e por isso nao os resolveres!

:*

Naja disse...

E sim... eu já fiz xixi pelas pernas abaixo com uma crise de ansiedade. E... era prof.

Anónimo disse...

Concordo com a Naja, tens culpa se não pedires ajuda. Estás a precisar de ajuda psicologica, porque quanto ao resto virá por acrescimo. Trata da mente porque o corpo tratarás quando estiveres bem psicologicamente.

UM ABRAÇO APERTADO

SANDRA